terça-feira, 28 de fevereiro de 2017

Longo caminho para Salta


Nem vou contar como era o hotel e como foi horroroso e barulhento o café da manha...   A parte boa é que dormi demais e estava descansado do sobe-desce de ontem. 


A estrada cruza a ciudad e segue por uma serrinha surpreendentemente linda! Foram 16km muito gostosos subindo até 1.400m. Passando pela Puerta de San José se sai da serra de Belén, sai do verdejante e entra mais uma vez em um trecho quase árido e monocromático. 

Por ali a RN40 segue para norte por um colossal vale. Eu sabia que a estrada encontraria mais uma serra à frente, eu via esta serra à distancia e tudo o que eu fiz foi ser levado pela Rocinante até aquele ponto. Passei sem parar pela paupérrima vila de San Fernando (Alt.: 1.682; 20°C).

A partir daquele ponto eu não sabia mais onde a Panamericana estava asfaltada ou ainda em ripio.  Mas tive uma grata surpresa, aquele trecho estava recém reformado, a estrada é moderna e muito gostosa!

A coisa foi subindo lentamente até os 2.300m. No vale de nascimiento, a estrada teve longos trechos sinuosos e um cenário bárbaro.

A estrada vira para nordeste segue por 38 km em uma gigantesca planície absolutamente desértica a 2.240m de altitude. Nome do lugar: Hombre Muerto. A visão foi fantasmagoricamente linda, um deserto com los Nevados de Aconquijia ao fundo. 
21°C, sin viento y sin nubes, sin ratones y sin culebras

Em algum lugar daquele vale, o hodometro da Rocinante marcou 135.600km. Ou seja, andei com ela 100.000 km desde junho de 2010. Três vezes aos Andes, quatro ao Uruguay, algumas para Petrópolis, Tiradentes, Florianópolis e etc...  Uma grande companheira!!!


Acima: o maravilhoso vale Hombre Muerto      Abaixo: o vale do rio Santa Maria


Acima:      entrada no vale do rio SAnta MAria, pensei q fosse bucólico e romantico...     
Abaixo: Nada além de problemas, pobreza e muita lama!!!






















Em mais um vale verdejante formado por um rio, o Santa Maria, a paisagem fica confortável e a estrada segura e gostosa. Mas não demorou muito e La Cuarenta desce a 1.100m, a temperatura chega a 31C e o trecho se torna mais uma vez uma reta com muitos badenes ( aquelas infames passagens de agua por cima da rodovia.)




Acima: veja a confusão em uma das horríveis vilas (Amaicha del Valle), repare na escorregadia areia no piso... 































Acima:     o péssimo asfalto, mal dava p andar a 80,       
Abaixo: finalmente entrando na rica província de Salta



























O começo do vale foi bonito, arborizado, fértil e com umas vilas em ordem. Quando chego a um lugar chamado Palo Seco  a estrada é invadida várias vezes por rios lamacentos, cada vez mais fundos, escorregadios  e dificeis de cruzar. Acredito que foram uns cinco. No ultimo deles eu quase tomei um banho de imersão na lama....
























A tão admirada ruta 40 testou a minha paciência neste trecho. O caminho  segue por vilas cada vez piores, o cúmulo foi em Santa Maria, onde o asfalto ficou péssimo e as casas paupérrimas, feias e com muito transito. Naquele ponto o asfalto se afasta da RN40 (que vai em rípio por lugares ainda mais feios.), reencontrei a 40 coisa de 25km lentos e voltamos à perigosa rotina de frear para passar devagar pelos Bandenes. Foi chatíssimo!!!

Eram pouco depois da 12:30 quando entrei na província de Salta. Imediatamente e estrada fica melhor e logo a paisagem é de vinhas, fazendas organizadas e a entrada em Cafayate (Alt.: 1.625; 26°C) aconteceu 261km depois do hotel (3:18). Ao contrario dos lugares que eu tinha passado hoje, Cafayate é uma cidade das mais ricas.  Com ruas asfaltadas, gente, bons hoteis e etc.

Eu naõ comi nada no café da manha,,,  estava com fome e sabia muito bem onde havia um excelente restaurante;,,,


A imperdivel bodega / hotel / restaurante Pateos de Cafayate. Restaurente bom é comigo mesmo!!!




















Eram pouco depois das 16:15 quando retornei à estrada. Bem na saída da cidade a RN40 segue para o norte, sentido Cachi e eu tomei a RN68 por uma planície larga  Logo se entra na exótica e colorida serra. Um dos lugares geologicamente mais interessantes e bonitos por que passei. 









Acima: 655,8 km com um tanque (33l) de combustível. Um récorde!!  isto graças à gasolina Argentina e ao longo trecho em descida.


 A estrada (que é padrão europeu) segue pela Quebrada de las Conchas, um monumento nacional Argentino e 50km após El Cafayate passo pelas gargantas que são os pontos turísticos daqui. 

A estrada segue para norte, encostada na pré cordilheira de Santa Maria (tudo por aqui tem este nome...), sobe até cerca de 1.500m e depois começa sua descida em direção ao vale onde fica a cidade de Salta. È uma ligação importantíssima e o movimento era intenso. A medida em que a RN68 desce em rumo nordeste, começa a aparecer vegetação. A estrada é excelente mas traiçoeira.

O fértil e rico vale onde fica Salta está a 1.100 m de alt. em média, eram quase 19:00 quando parei em Las Vinhas. Hora de água, gasolina e trocar uma lâmpada do farol que queimou. 


A partir daquele ponto foram 80km até o hotel. Um trecho lento e sem graça (parecido com Itatiba): fazendas, arvores, caminhões, Renauts lerdos, animais sonolentos e Fiats fumaçentos. quatro barreiras de policia parando tudo e todos, não fui incomodado. Era carnaval, e havia uns festejos e desfiles de foliões em cima de carretas graneleiras...  tudo embalado ao som de milongas... A criançada brincando e aparentemente não tinha nenhum bebum com pandeiro. Eu gosto deste lugar!!!

La linda Salta (cerca de 460.000 habitantes) fica na parte norte do Vale de Lerma, é sem duvida alguma a mais importante e bonita cidade do noroeste Argentino. 

Entrei na cidade na hora do rush. As avenidas são largas, movimentadas, a indústria é moderna e as lojas grandes. Muito melhor do que eu esperava.

O hotel fica na parte central (Alt.: 1.682; 25°C). depois de 745 km desde o Hotel Cortaderas eu estava em algum lugar realmente civilizado. Quer saber: uma pena...

O pessoal do hotel estava me esperando, e a simpatisissima, bonita, elegante e perfumada recepcionista já estava meio aflita. Exatamente as 22:00 eu estava jantando e tomando muito vinho.

Amanha não será dia de motociclismo.










O rio, o vale a cidade e a Cuesta de Belén


A mancha clara é a planície de Hombre Muerto. Magnífica!!! A parte verde a leste é a região do Chaco.























Nobody climbs mountains for scientific reasons. Science is used to raise money for the expeditions, but you really climb for the hell of it. Sir Edmund Hillary


Etapa de hoje:  450,7 km
Tempo andando: 06:07
Tempo total: 10:08
Distância acumulada: 4.102,7 km



segunda-feira, 27 de fevereiro de 2017

Deixando de ser teimoso - paso San francisco - belén





Acordei as seis, olhei pela minuscula janela e fiquei apreensivo: coberto de nuvens e vento.

Durante o café da manha (se é que um pão duro e café solúvel podem  ser chamados de...) eu fiquei pensado como foram fáceis e deliciosos os 95 km da cidade até o hotel, é a terceira vez que passo por ali, me senti como se fosse intimo do lugar...  

Acima: Vista do hotel as 07:30; 3.300m de alt. 7C; picos nevados ebaaa    

Acima: a arquitetura só não é pior do que o serviço....   Abaixo: o maravilhoso caminho que sobe ao Chile



















Vejam as fotos: não há nenhuma árvore, nem plantas e nem grama ao redor do hotel. Os insetos abandonaram o local antes da construção das pirâmides no Egito. Estava a 3.370m de altitude, justo naquela faixa de altitude onde não há absolutamente nada. 


O sol da manha deixou as montanhas maravilhosas e  deu ainda mais contraste para a horrenda pintura do edifício em tons de pistache e goiabada, o que faz do hotel um corpo totalmente estranho e deslocado da paisagem. 

Aquelas cores e a arquitetura alienígena realmente, somado à total falta de atenção com os pobres hóspedes, me deram vontade de seguir caminho.

Este seria um dia rumbo al Chile, com grandes expectativas!!!

Sai do hotel, com poucas coisas na mala, eu aliviei o peso e deixei as duas malas laterias  no depósito do hoel ( era para ser um cinema, virou deposito...). O sleeping bag preso sobre tudo dava o definitivo visual de descobridor Andino (ou de farofeiro) ao meu personagem! seriam 810km sem olhar para um posto de gasolina!

Eram 08:30 e 10°C, segui rumo acima em direção ao queridíssimo Paso de San Francisco.



Las Peladas ( as montanhas) !!!  uma linda cadeia que estava sob nuvens e sem neve.






























A subida foi exatamente como eu esperava: Linda. Incahuasi (o vulcão) e Las Losas (as montanhas)   estavam cobertos de neve, o sol enganava o frio. Andei devagar por que sabia que ia encontrar com Vicunhas. Vi várias manadas  com filhotes.

A temperatura caiu muito e parei para agua, chá quente e colocar todos os casacos e luvas de frio.


Vicunhas devorando os Ichús!!!  Ambos só existem acima de 4.000m!!!
























A chegada na aduana (Alt.: 4.030m 9C) foi simples e fácil. Fiquei surpreso coma quantidade de carros esperando a liberação. realmente movimentado. Até agora tudo exatamente tal planeado!  A casinha da aduana estava lotada de turistas, observei que o lugar foi reformado (perdeu muitoo ambiente aconchegante de 2012). Guando perguntei que fim levou o aquecedor de lenha que existia ali, o oficial chefe disse que eu era "amigo da casa" e me passou na frente dos turistas, para a raiva de umas velhotas feiosas que estavam na fila...



Acima:   na aduana com o inédito movimento de carros indo fazer compras no Chile.   

Abaixo: O colossal vulcão Incahuasi e seu salar.  A diferença de altura entre o salar ( onde fica a aduana) e o cume são de 2.500m !!!   No asfalto não é uma vicunha...   é um cachorro mesmo!!












































Os últimos 25 km até o paso (Alt.:4.760m . 6,0C) foram fantásticos e divertidos. O ceu estava sem nuvens e todos os vulcões cobertos de neve.  Lindo

Parei na fronteira, deixei mais uma garrafa de agua para minha padroeira, e me dediquei a abaixar a pressão dos pneus e me preparar para 75km de ripio chileno. Uma surpresa: o vento derrubou o arco com a placa do limite internacional!


Acima: o vulcão San Francisco, Abaixo: Gracias señora!




Acima: o monumento à Diego de Almagro vide post "Entrando em nova Toledo"  (dez de 2011) para esta historia fabulosa!!!

Abaixo o limite internacional com a placa derrubada: algo estava muito errado...


























Mas antes de ligar o motor eu prometi para mim mesmo não reclamar das dificuldades que iria passar. Afinal eu já sabia muito bem o tamanho da encrenca quando montei o roteiro deste dia. ( para minha primeira passagem, veja o post dia 2 de janeiro 2012 - com video...)

Aquele lugar se chama Plaza de Vulcones, é a maior concentração de vulcões ativos ou não. Ha o Incahuasi; San Francisco; El Fraille; El Muerto; complexo Nascimento; Azufre; Tres Cruces; Ojos del salado e outros menores. Todos estes são vistos da estrada e estavam todos coberto de neve. o lugar que já é monumantal estava lindo!

Quando passei por ali, em 2011, a obra de retificação do trajeto e pavimentação estava em andamento (o que me causou vários problemas). Aconteceu que a empresa que ganhou a licitação para a obra faliu (ao contrário do que acontece em outro grande país, a verba para pavimentar a estrada Chilena não é paga duas vezes) e a obra parou. O impasse terminou no começo de 2014 e naquele dia as obras estavam pela metade e em ritmo Uruguayo.   Ainda não está pronta!  E eu esperava que os  trechos já asfaltados me ajudassem bastante. 

Para falar a verdade eu sofri muito menos. Acredito que estava aclimatado à altitude e não passei mal com La Puna,  os pneus eram muito melhores para o rípio e eu estava ficando acostumado a conduzir a moça naquela insegurança.



Acima: parei perto da Laguna Verde para descansar, aqui o piso estava enganosamente melhor. repare no pneu especial p isto e como ele quebrou o para barro.

    Abaixo:  na Laguna Verde e ao fundo o complexo de vulcões Nascimiento.





Segui morro abaixo em direção à laguna verde (Alt.: 4.344m). Com uma péssima surpresa: a estrada, embora toda retificada  e muito larga estava péssima!!!   Buracos, grandes pedras soltas e enormes costelas de vaca. Parei várias vezes... para recuperar o folego  e passar o susto. A chuva forte nos últimos dias arruinou o piso. Em vários lugares se formou lama, os carros passaram por ela e ela secou ( tudo aqui seca em minutos) formando blocos complicados de se passar em uma moto grande. A coisa estava cansativa. mal andei 20km e ja estava cansado e chateado.


Logo no inicio da laguna o piso melhorou e consegui andar a cerca de 50km/h, mas a média estava abaixo de 35. A paisagem era fenomenal, a laguna estava mais escura e todos os picos ao redor estavam nevados, a temperatura subiu para 12C o que me trouxe algum conforto para enfrentar as costelas de vaca.


Ha um misto de "não posso demorar" com "vamos parar para descansar". Mas o caos do piso na estrada acabou com meu bom humor e com qualquer margem de segurança. O piso nao melhorava... estava ficando cansado e a velocidade era baixa.  Tomei alguns sustos com escorregadas e pedras soltas...  Eu nunca paro de fazer contas, pelo ritmo da coisa, com sorte eu chegaria ao destino por volta das 18:00, o que me aborreceu. As margens de segurança estavam ficando apertadas. Lá pelas tantas, perto de um lugar chamado "las Barrancas" eu tomei uma rajada de vento e a coisa balançou bastante. Parei para me recuperar no momento em que vi uma moto vindo em sentido contrário. 

O casal  de italianos parou e ela veio falar comigo extremamente preocupada com minha saúde. Ele gentilmente me  deu a má noticia: o piso está ruim mesmo e o trecho que eu esperava estar asfaltado ainda estava em rípio... nada da tal obra de pavimentação progrediu.  Eu ainda teria 150km aprox de piso caótico... 




Acima: não parece, mas é um casal de anjos da guarda!   

Abaixo: de vuelta al limite internacional























Água, comida e gasolina contados.  Isso no topo do planeta em um lugar que não admite erros. E o passeio estava sendo cansativo e perigoso???   Para que ser teimoso??? Teimosas aqui são as Mulas Muertas (nome de um lugar a 170km daqui...)

Não tive dúvida: meia volta e vamos embora daqui. Eu não podia me dar ao luxo de torcer um pé ou quebrar um pedal da moto. O lugar é como uma sereia: deslumbrante mas mata.

Segui o gentilíssimo casal o que me trouxe uma sensação de muita segurança e conforto. Eles andavam mais rápido por que estavam  em uma moto menor e feita para aquele piso...  Fui no meu ritmo.


Segui o caminho com calma. A subida da laguna para o Paso foi tranquila e sem ficar biruta com a altitude. As 13:00 (alt.: 4670 e  6°C) eu Parei no paso, deixei a última garrafinha de água para a Difunta Correa, enchi os pneus mais uma vez e comecei a descida pela estrada mais do que perfeita, com 21 km de lindas curvas até a aduana.

Deu para aproveitar toda a beleza do Vulcon Incahuasi e do seu salar, que ficaram a minha direita neste caminho. Entrar na aduana Argentina foi como entrar na casa da sogra, todos perguntaram por que eu voltei, me passaram na frente da fila de turistas mais uma vez,  tomei café, me ofereceram queso,  pedi água e contei das minhas peripécias. Feitas as formalidades saí da aconchegante casa e fui surpreendido pelo frio, confesso que tremi um pouco até me acostumar com o movimento. 

Haviam muitas motos e ficamos de bate papo, chilenos, argentinos, os italianos e uma turma gaúcha.

Voltei para a maravilha arquitetonica Hotel Cortaderas, eram 15:00 para pegar as malas  e re arrumar tudo. Mesmo assim insisti em dar uma paradinha no hotel para um café...  só que não havia mais café...  Poderia ter dormido ali...  mas ja estava cheio daquele lugar e de ter que caminhar exatos 175m do quarto ao restaurante/recepção.  Resolvi adiantar meu cronograma em um dia e reprogramei a viagem para ir dormir em Belén.  Um trecho de 309km morro abaixo... fácil demais. 

Fui buscar as malas que estavam no depósito do hotel, com a  ajuda do preguiçoso funcionário No.1 ( lembramos que existem o No. 1 e o No. 2...    só estes...). Decidi colocar a gasolina naõ utilizada do agora desnecessário reservatório no tanque principal.  Por preguiça eu não coloquai tudo, deixei coisa de 3 litros no tanquinho vermelho ( que naquele país de chama Bidón).


Foram 95km do hotel até o já manjado posto de gasolina em Fiambalá, tudo ladeira abaixo com longos períodos com motor desligado. A temperatura subindo. Saí de 3.700m no hotel a 14°C para os 1.550m e 31°C da cidade. Há um vídeo subindo desta cidade ao Paso San Francisco em janeiro de 2012, procure na barra lateral como "De Fiambalá ao São Francisco".


Ha coisa de uns 50km antes da cidade, no treho em que a estrada ainda desce, encontrei um motocilista andando beeem devagar com uma honda todo terreno de umas 400cc, as malas e a roupa dele denunciava; era dos meus!!!

Ele fez um gesto para que eu parasse, parei à freente dele e fui conversar...  ele veio desesperado me pedindo gasolina, estava a coisa de 35 km andando com motor desligado!

Eu apontei pala o bidón e mostrei o resto de gasolina, e disse : "eu estava guardando para você!!!" Só faltou ele chorar!!!!

Ligamos a moto dele e descemos jun tos o curto e quente trecho até Fiambalá.

Cheguamos ao posto de gasolina na entrada da cidade, enquanjto ele abastecia eu passei na Hosteria Municipal e deixei um cartão meu na moto do super casal de italianos.  

Ele encontrou seus amigos e eu fui convidado por todos para um régio almoço em Tinogasta. Eu tinha gasolina de sobra e seguimos todos para o prometido almoço.


Do posto até Tinogasta (mesmo percurso do dia 26 de fevereiro) são 45km. Só que desta vez ao entrar na atrapalhada vila de Tinogasta eu olhei para traz e me despedi daquele monumental trecho da cordilheira. 

Parei em um outro posto somente para acertar os pneus,  tirar as meias e a calça de frio que estavam me cozinhando (33 C na sombra...). Olhei para o relogio, fiz as contas e decidi, se eu almoçar aqui não chego em Belém a tempo de arrumar um hotel.  Então renunciei ao almoço e pé na estrada...

Fatos curiosos e tristes.. eu nunca mais falei com os Italianos e nem recebi a homenagem pela gasolina...

65km após Tinogasta encontro o trevo (Alt.:955m) com a RN40, virei para o norte. Até ali eu tinha andado 210km para o sul. Eram 18:00 e 31C.

Acima: de volta à RN40  

Abaixo: o caminho segue ao lado leste da gigantesca Cuesta de Zapalla





Abaixo: a cidade de Londres



















A estrada segue pelo lado leste da linda e alta Cuesta de Zapata. Depois de 70km confortáveis a estrada cruza o vale fértil formado pelo Rio Quimvil, passa por Londres (a cidade ganhou este nome para celebrar o casamento do príncipe espanhol Felipe V com a rainha Mary I, esta mesmo, a Bloody Mary!!) e segue para cidade de Belén. O trecho dentro de Londres é uma graça... pequenas casas, prédios antigos, simples, mas tudo arrumado. 


Naquele ponto a serra de Zapata se divide, o corpo principal de montanhas segue para o norte, e o outro sai para nordeste, formando a Cuesta de Belén. Esta serra é rasgada pelo rio Belén, criando a quebrada de Belén, onde fica a cuidad de Belén. Quanta criatividade para nomes! 


A Cuesta de Belén é linda, bem como o vale. Mas a cidade é horrivel (não se empolgue: a vila tem 3 km de extensão por 1,5km de largura...), bagunçada e improvisada... pobre.
Não posso reclamar muito, fui extremamente bem tratado pelos guardinhas e pelas chicas na farmácia.



Eu gostaria muito de saber quem coloca estas placas absurdas e constroi monumentos como este dedicado aos "martires de las malvinas". Sem duvida o episódio mais vergonhoso da história este lindo país.  No infeliz monumeto ha estátuas de bravos soldados em combate... mas me recusei a tirar fotos melhores!!


















Aconteceu uma confusa busca por um hotel... é carnaval e está tudo lotado...    Fui ao melhor hotel onde não havia vagas...   

Arrumei um quarto em um treme-treme pintado de cor de rosa ( este foi definitivamento o dia com piores hoteis na minha vida, mas com a melhor paisagem)

Voltei ao melhor restaurante da cidade para escrever isto...  exausto ... saio daqui e vou dormir em um quarto com carpete e paredes vermelhas e um ar condicionado injuriado. 


Norman Bates não teve coragem de dormir aqui... Mas eu sim!!!!







“What makes the desert beautiful is that, somewhere, it hides a well” – Antoine de Saint Exupery



                          Etapa de hoje:  560,7 km
Tempo andando: 07:27
Tempo total: 10:49
Distância acumulada: 3.652 km