domingo, 9 de janeiro de 2011

O último trecho.


E um passeio por Colonia del sacramento...


Depois de passar a tarde vadiando em Puerto Madero, chequei no Uruguay eram 22:00. Os quatrocentos e trinte quilómetros, o calor infernal e as confusões com o embarque para o Uruguay me deixaram realmente cansado e morrendo de vontade de sossegar em algum canto.  O detalhe é que o barco que eu tomei me deixou em Colonia del Sacramento, longe 200km a oeste de Montevideo. Ou era isto, ou teria que dormir em Buenos Aires. Humpf.







 Eu nunca fiquei em Colônia, sempre saí de lá direto a outro lugar. A surpresa foi ótima. Um lugar muito bonito e charmoso.


Farol construído sobre as ruínas da antiga fortaleza espanhola










De colônia até Punta del Este são 290km, no caminho que eu segui, indo pelo interior e não por Montevideo. Mais divertido, não tem policia e tem curvas...  bem.... algumas...


Bem...   ficamos por aqui. Este é o fim desta aventura, resultado muito planejamento e acima de tudo muito apoio, orientação e paciência dos meus amigos.

 Agradeço ao Otaviano pelas dicas, ao Izzi pelo apoio, dicas e por encorajar, ao sempre presente Zé Ricardo e à turma da SRO que cuidou da empresa nestes dias, o Marcel, Ivo e à carinhosa Fabiana.

Um abraço Muito especial à Silvana, Debora, Marcelo Almeida, Claudia Cize e Claudia Cunhada, Betinho, Pelayo (meu controlador de voo), Kelly, Guigo Fausto, Monica, Filipi, Flaviana, Yrio, Carlos Lundmann... Aos meus 21 seguidores do blog...

Ao Fabiano que quando me vendeu esta moto me disse:
 “ você que vai cada vez mais longe, precisa de algo assim...”


Ana Paula, Fernanda e Paulo que tem toda a paciência comigo nas oficinas da Officer.

Acima: estátua em homenagem ao motociclista!!!  A única que eu vi em qualquer lugar do planeta!!! 


Especial para minha família que esteve junto via este blog ou sms do celular...

Carinho aos incontáveis anônimos que me deram dicas, apoiaram, alertaram, torceram, resolveram pequenos problemas ou ficaram de proza comigo em postos de gasolina por estes 7.300 km.


E Boa sorte aos que eu encontrei no caminho e que estavam começando o que eu termino hoje.





Dia de atraso e confusão... Não cheguei onde queria mas estou perto...




A tarefa de hoje era moleza: sair de Balcarce e ir até Punta del Este... só que para tanto eu usaria de novo o fantástico Buquebus...









Paris? França??? É Balcarce mesmo!!!




Super-estimei a moleza... o café da manha do hotel era fantástico, gastei tempo onde não devia, a estrada veio devagar por causa do excesso de barreiras policiais e radares e me confundi com o horário do Buquebus. Resultado, não embarquei no buque das 15:00 para Montevideo, como era meu plano. A solução foi embarcar às 20:00 para Colonia del Sacramento! 

A alternativa era dormir em Buenos Aires e pegar o barco para Montevidéo as 07:00...  eu me conheço: eu iria perder o barco de novo!!!





Sabe que foi bom... conheci gente legal e gastei a tarde (sem nenhuma nuvem no céu e um puuuta calor!) andando por Porto Madero, dica da Iara!

Embarcado no confortável navio, moto bem amarrada no porão e fiquei lendo ou admirando o por do sol no Rio da Prata. O trajeto Buenos Aires - Montevidéo leva tres horas...  já o Buenos Aires - Colonia leva apenas 50 minutos.





Estou agora em uma pousada muito gostosa, escrevendo este antes de ir dormir... rodei pela cidade e fiquei assustado com os preços dos hotéis!!!


Portanto algumas imagens de hoje e amanha imagens de Colonia del Sacramento que é muiiiitoooo legal!!




sábado, 8 de janeiro de 2011

Distancia esperança!!!

...ou fuga de Choele Choel!
(se pronuncia “ tiôlêtioél”, muito engraçado...)


Acordei cedo e pista!!! Não via a hora de sumir daquele hotel! 

Pelas oito estava na a estrada e às 10:00 estava chegando no Rio Colorado (o legítimo...). Céu com poucas nuvens, frio mas sem vento. Desta vez a estrada bateu o recorde: 174km de reta!

Durante o café da manha, conversando com Argentinos, a recomendação foi de não seguir ao norte até Vila Rosa e depois pela Rn5. Indo via Bahia Blanca,  Mar del Plata ( a praia grande deles!) e depois para capital eu iria andar uns 150km a mais, mas com muito mais segurança e rapidez.

Chega de deserto, depois do Rio Colorado surge este cerrado, depois o rico Pampa 

Como a missão era andar o máximo possível, porque preciso chegar ao porto de BA (1005km) até as 15:00 do dia seguinte, e para que este trecho não se torne uma maratona tipo “ Distancia esperança”, resolvi rever o trajeto e encarar a coisa de maneira mais leve.

Li em vários lugares que  a Patagonia começa (no meu caso termina) no Rio Colorado. Achei papo de richa de vizinhos, uma vez que o rio também é divisa entre as províncias de        e de       .  Olhando no google earth não vi nada de diferente, mesma altitude e mesmo relevo (Tipo mesa de bilhar).

Mas quando se cruza o Rio Colorado (não aceite imitações!) toda a vegetação muda, surge um cerrado com pequenas árvores e muito capim. A tempestade deixou tudo verde, e várias carretas que o vento empurrou para o acostamento! Elas saem da pista, descem o leve barranco após o acostamento e atolam na várzea, depois vem uma turma de caterpillar e tira a carreta intacta. Bem mais civilizado do que acontece em "outros lugares", ou seja: a carreta tomba, bloqueia a pista, demora um dia com a policia interditando tudo e com os manos roubando a carga.

 Parece inglório, mas é melhor do que o que vemos no Brazil...

Outra coisa engraçada, TODOS os motociclistas ficaram hangarados e voltaram para a estrada hoje! O que eu  fiz de amigos nesta manha!!

Bahia Blanca...  ... tirei várias fotos...   ...apaguei todas!

Bahia Blanca consegue ser pior do que Cubatão... de longe!. O porto e terminal petrolífero está cheio de indústrias, refinarias, mocós, caminhões, buracos, favelas e não há nenhuma placa indicativa ou árvore. O lugar fede o que ele produz: amônia (cheiro de xixi), sulfatos (cheiro de peixe podre), refinarias (cheiro de óleo queimado) e muita miséria (cheiro de problemas...)... 

 O Pampa... 

Saindo de lá se entra no rico pampa Argentino: Trigo, Grãos e gado. È época de colheita de trigo, eu eu já tinha sido avisado: Cuidado com maquinas agrícolas na estrada! Bem, eu imaginei uns tratorzinhos, uns Tobatinhas... vejam pelas fotos o que anda pela rodovia... 

Cada vez que eu via um no horizonte, reduzia e ficava esperando a confusão: atraz deles sempre vem um afoito, e como o artista não vê nada, resolve ultrapassar e sempre cria aquelas situações de risco, em vi fácil umas quatro, ainda bem que eu estava longe só assistindo!


Olha o tamanho da encrenca!!!  E sempre com algo no reboque!!!




A última hora antes de Balcarce foi fantástica!  A região é rica e linda, final de tarde, céu azul e sem fazer calor. Já estava ficando cansado, cheguei em Balcarce, que é muito mais arrumada do que eu imaginava, e fui direto ao Museo Fangio. A visita ao museu eu mostro hj a noite!!!



Rarleiros aprendam:

Fui para para tirar umas fotos...    e a moto afundou no  barro...



Primeiro você tira todo o peso dela  Rarleiro, tire todos os cromados e fitinhas de couro... vc consegue sem seu mecanico!!!


 Rarleiros:  Tirem também o casaco de couro com o bordado " Born to be Mild", os óculos de gatinho e o capacete nazista...

 Daí vc vai a caminhando procurando onde o chão está firme, onde há pedras e etc. Rarleiro, será que vc consegue fazer isto sem o seu bando?

Saiba  exatamente por onde vc vai sair. Rarleiro: faça isso sem telefonar para seu motoclube!



Pronto é só recolocar a bagagem!!!  Rarleiro: vc conseguirá recolocar o cromo e o couro, aproveite e coloque também um silenciador!!



Pronto!  Vamos seguir viagem!!  Rarleiro: Cerveja agora não!!  ainda tem estrada pela frente, mesmo que vc só irá por mais 12 km...







Já que está tudo adiado um dia...  vou dormir hoje em Balcarce, lá existe o Museo Juan Manuel Fangio!!!

De lá até o porto do Buquebus são fáceis e rápidos 428km.

O caminho finalmente"  O porto de Bahia Blanca fica bem no meio do caminho!


quinta-feira, 6 de janeiro de 2011

Amanha é o dia!!!

Vamos fugir daqui!!!




Olha o céu as 20:00...


Tenho um dia e meio para 1.005km... fácil...

Dureza está sendo ficar aqui!!!

não aguento mais os programas de auditório na TV, na HBO só passam os mesmos tres filmes...

A noite no cassino foi absolutamente entediante!



Céu azul.. e até a caminhonete é azul.. obrigado à Difunta Correa!!!  (compare coma foto tirada as 12:00)


 tudo pronto para amanha...

Atendendo a pedidos...



O Filipi que adooora andar na chuva!!!



Uma mistura de Suspentécnica e Perfect Motors em Choele Choel...   




A chuva deu uma trégua agora a tarde. Lá pelo meio dia garoava, mas o vento no deserto ainda estava demais...  Depois eu conto sobre o "Rimo dela noche" aqui em Choele Choel!!!

De Neuquén... ...a lugar nenhum!!!



Saí tarde de Neuquén, pela manha o céu estava nublado (temp. 24 graus) e eu imaginei que seria bom porque não sofreria com o calor...  hummmm quem dera. Gastei tempo procurando uma casa de cambio para me livrar de uma coleção de pesos Chilenos, depois tentando trocar o óleo da moto...

Neuquén é a capital da província de Neuquén, a única rica em petróleo. A cidade é beeem melhor do que eu imaginava, rica e em ordem com um comercio legal e sofisticado (para padrão interior da Argentina...).

Saindo da cidade, logo se entra na província de Rio Negro, a estrada que tenho que seguir é a única ligação importante, passando por dentro de várias vilas e cidades, resultado: filas de carretas e carros. Se anda devagar e o céu não estava nada encorajador.

Neste trecho do enorme platô que é o deserto, os rios Negro e Colorado (o original é este, onde a Bebel está é a cópia...) cavaram cada um seu Canyon largo e longo. Dentro do canyon do Rio Negro, o solo é fértil e por aqui só se vê cultura de frutas e todas as indústrias neste setor, de sucos a conservas.

 Do lado de dentro do vale o oásis, para cima do platô fica o deserto.

E chooooveee e ventaaaaaa....



Eu reclamei muito da estrada no vale, trafego obras e semáforos...  O pior estava por vir. Saindo do vale, subimos um pouco e de volta para o deserto. Daí a porca torceu o rabo!

O tempo foi fechando... 200 km de viagem e a coisa começa a ficar impossível. Chuva forte, pouqui´ssima visibilidade e muitas carretas e ônibus, ultrapassá-los não era nada divertido.

A temperatura foi caindo e caindo... Quando deu 18 graus eu parei para colocar o kit frio\ chuva, a garoa logo virou chuva, a temperatura foi para 14 graus e para completar o molho veio um vento lateral com rajadas de 40km\h.

Apareceu na estrada uma carreta da YPF, eu andei um tempão atrás dela, depois passei e resolvi voltar p detrás dela. Aguentei uns 120km deste clima até chegar a um confortável posto da YPF (realmente são bárbaros...) para um café quente pq gasolina eu tinha sobrando.

Choele Choel...

O motorista da carreta veio sentar comigo, tomar algo quente e foi muito amigo e útil. O caminhoneiro me disse que para frente de Choele Choel a estrada está nova e toda sinalizada. Mas me alertou sobre os ventos, que balançam a carreta dele... Imagina só. Realmente, voltei para a estrada, andei exatos 20 km e resolvi voltar para dormir na diminuta Choele Choel. Que fica a pelo menos 250km de nada...

Mira mamá!!! Dos estrellas!!!

Não é o Bates Motel, mas está quase...


Achei um chiquérrimo hotel de 2 estrelas e estou aqui, secando as roupas, vendo televisão, reprogramando tudo e reservando para talvez atrasar tudo um dia. 

Até a tempestade passar...





quarta-feira, 5 de janeiro de 2011

Começa a volta para casa...


         ... E de volta ao deserto.

Amanheceu assim... 

Como sempre, o último dia na praia é o único ensolarado... Amanheceu um sol maravilhoso nos lagos da Patagônia, hoje, no dia de ir embora. 

As nove em ponto eu estava saindo do hotel, um sol lindo e 11 graus, parece estranho, mas andar de moto assim é uma delícia!

O caminho seria direto até Neuquén, 428km...    mas sabe como é,  tem umas placas que dão cada idéia...


Saindo do vale, você se lembra das imagens de ontem? compare a vegetação!


Saindo do hotel (900m de alt.), volto para N por uns 40km para depois de Junin de Los Andes sair para E, cruzar a serra (1.200m de alt.), que forma o vale e daí em direção S pelo Canyon criado pelo rio Collon Cura (550m de alt.), até a Hidroelétrica de Limay.


El Collon Cura, a ponte, e seu canyon. 




Logo antes do Collon Cura existe um ponto de observação de Condores, enquanto eu estacionava a moto havia um sobrevoando, quando pego a maq. Fotográfica ele sumiu...


Los Condores non passaran... mas las personas...



Mais do que condores, o local é frequentado por seres humanos fiquei lá uns trinta minutos, e foi muito divertido, uns argentinos engraçados, um casal de franceses falantes, uns chilenos que não cumprimentam e dois sujeitos bárbaros passeando pelos Andes e retornando a Buenos Aires em duas Honda Biz. Esta dupla valeu o dia!!  Gente do bem e delicadamente mostrando que para realizar os sonhos basta vontade. Néee tio Zé?????



Los Rocinantes e los 3 Dom Quixotes!



Encontrei com eles algumas vezes pelo caminho, eles a oitenta por hora e eu naquele vai-vem-sobe-desce, chegamos a Neuquén na mesma hora.


Acima: O canyon do Cullon Cura      Abaixo: perceba os estratos nas rochas. Neil Armstong diz que " as rochas se lembram de tudo". A geologia do lugar tem  muita história pra contar.


Abaixo: a Represa do Limay.


Chegando à represa de Limay, uns 150km depois do hotel, as placas começaram a me chamar, Neuquén para esquerda, S.C. de Bariloche a Dir. pela ruta 40...  Adivinhem?  Mal entrei em Bariloche (900m de alt.), o caminho para lá é bárbaro, o lago da cidade é lindo, cheguei, olhei, enchi o tanque e voltei para Neuquén.  


Morro Acima: o rio Limay quase em Bariloche.

Bariloche parece um Guarujá na beira do lago, meio antiquado e decadente. Mas para quem quer andar pelos lagos Andinos, ainda é o ponto mais central.


Cruzando a Represa formada pelo Rio Limay (que desce de Bariloche e é turquesa e transparente como uma piscina: da estrada se vê as pedras no fundo!) e pelo Collon Cura, subimos de novo uma serra, de certo ponto, a 1100m de altitude, dava para se despedir dos Andes a W e olhar para o deserto da Patagônia a E. Este deserto começa por aqui, talvez um pouco mais ao norte, e se extende ao sul até o continente terminar, no Cabo Horn.


Na Ruta 40, 2165km, de onde não sei... mas é longe.


Acima: Adeus aos Andes. A placa diz 1510 km até Buenos Aires.     
Abaixo: Bem vindo ao deserto da Patagônia.



Vamos lá... Sóoo 1.500km até Buenos Aires. No caminho a vastidão do deserto fascina: retas e mais retas, um relevo bárbaro, a temperatura já nos 30graus e um puta vento lateral, dava para ouvir os conselhos do Izzi durante estes 250km.  

Se fala muito em "Patagonia"...   Na realidada não existe uma "provincia da Patagonia". ela é formada por 4 províncias ao sul da província de Neuquén, onde eu durmo hoje.

O fato é que esta planície que vc vê nas fotos, continua até a terra do fogo.  Plano, sem solo, à medida que se vai ao sul menores as temperaturas e menor a pluviometria. Quase nada cresce daqui até a terra do fogo. Veja o mapa da Argentina e perceba quão pouca terra produtiva há para sustentar uma economia.



Acima: Fenômeno comum, a nuvem descarrega mas a chuva evapora antes de chegar ao solo por conta da temperatura e pouca umidade relativa.
Abaixo: Pedra de Aquila, um lugar no meio do nada. observe a tentativa de chuva!




Quase em Neuquén, existe a represa de Chocón (a placa manda, eu sigo...) e lá um divertido museu de dinossauros encontrados na região.  Como o coitado do dinossauro é Argentino, ele é o maior, mais poderoso e cabrón dinossauro do planeta, óbvio que ele também é melhor do que o Pelé!!!!

 

 Acima: O lago em Chocón   Abaixo: Não entendi, o fóssil é o bicho ou o carro?







 Acima: O Bicho  mais voraz e ameaçador se chama Carolina!!!  AAaaaaeeeee Bina!!!     Abaixo: Carolina e seus visitantes...




Logo chego a Neuquén, capital da província, os 428km originais viraram 701km exatamente... A conta do consumo foi perfeita, quando parei no hotel a luz da reserva acendeu. Programas para hoje? Jantar e cama!!!  Amanha vamos à Bahia Blanca, algo como 650km... ...se num tiver nenhuma placa interessante...




Olhando para o Sul: daqui até na terra do fogo será esta mesma paisagem. Acrescente mais vento... tire temperatura, e é isso até Ushuaia, 1.800km em linha reta. Consulte um mapa e perceba a extensão do problema.


Acima: O dois simpáticos heróis!!!!